Esclarecimentos por Mauricio A Berger – 05.23.2018 (Português)

Durante toda minha vida, muitas pessoas passaram por mim, dia após dia. Mas somente algumas dessas pessoas, ficaram em minha memória e as levarei para sempre em meu coração. Entre essas pessoas há uma em especial, o meu amigo, Jader.

Recentemente um conhecido das redes sociais me passou este link https://onewhoiswatching.files.wordpress.com/2018/04/final-mauricio-blog-10.pdf onde o “observador” do site faz inúmeras acusações a meu respeito, de enganador e até falsificador. Isto de fato não faz diferença para mim, porque me sinto assim como expressou Joseph Smith Jr. quando relatou sua história e dentre suas palavras eu destaco algumas para expressar o que sinto em relação a tudo isso: Contudo, era um fato ter tido eu uma visão. Tenho pensado que me sentia como Paulo, quando apresentou sua defesa perante o rei Agripa e relatou a visão que tivera, quando viu uma lu

z e ouviu uma voz; mas poucos foram também os que acreditaram nele; alguns disseram que ele era desonesto, outros, que estava louco; e foi ridicularizado e injuriado. Tudo isso, porém, não destruiu a realidade da visão. Ele tivera uma visão, sabia que a tivera, e toda a perseguição debaixo do céu não poderia fazer com que fosse de outra forma; e ainda que o perseguissem até a morte, ele sabia e saberia até o último alento que tinha visto uma luz e ouvido uma voz falando-lhe; e o mundo inteiro não poderia fazê-lo pensar ou crer de outra maneira. Assim era comigo. Tinha realmente visto uma luz e, no meio dessa luz, dois Personagens; e eles realmente falaram comigo; e embora eu fosse odiado e perseguido por dizer que tivera uma visão, isso era verdade; e enquanto me perseguiam, injuriando-me e afirmando falsamente toda espécie de maldades contra mim por dizê-lo, fui levado a pensar em meu coração: Por que perseguir-me por contar a verdade? Tive realmente uma visão; e quem sou eu para opor-me a Deus, ou por que pensa o mundo fazer-me negar o que realmente vi? Porque eu tivera uma visão; eu sabia-o e sabia que Deus o sabia e não podia negá-la nem ousaria fazê-lo; pelo menos eu tinha consciência de que, se o fizesse, ofenderia a Deus e estaria sob condenação. Minha mente já estava satisfeita no que concernia ao mundo sectário…” Joseph Smith —História 1:24-26.

De forma similar posso afirmar que minha mente já está satisfeita no que diz respeito ao mundo sectário e suas opiniões em relação a esta obra. Mas há algo a ser dito sobre meu amigo Jader que precisa ficar registrado aqui e na história que se desenhará a partir desse evento com a restauração do evangelho.

Então, me disponho a esclarecer algumas coisas por intermédio desta mensagem.

Antes, devo fazer algumas observações sobre as acusações do “Observador” sobre os fatos. Primeiro, provei para aqueles que buscam a verdade que tais artefatos existem. Nenhum homem que pudesse ter falsificado tal evidência estaria em seu juízo perfeito para convidar oito testemunhas desconhecidas para irem a sua casa e testar sua veracidade se não fosse verdade. Além disso, todas as oito testemunhas são membros de alguma igreja de restauração nos EUA, o que por lógica, faria com que qualquer charlatão evitasse de virem ao Brasil com a possibilidade de verificar os artefatos de perto. De fato, a maioria, se não todos, queria apenas uma coisa, certificar-se de que eles não estavam sendo enganados. No entanto, todos partiram com convicção do que viram quando retornaram aos Estados Unidos, com total certeza das placas. A dúvida, se existia, não durou em seus corações, não apenas pelos materiais que se mostraram confiáveis, mas também pela confirmação do Espírito Santo que foi derramado em todos eles aqui no Brasil.

Por sua vez, o que posso dizer sobre as acusações apontadas pelo “Observador”?

Ora, pela acusação levantada pelo ‘Observador” de que eu falsifiquei as placas pelo documento de Mark Hoffman, posso dizer que tal argumento só veio a provar ainda mais que as placas em minha posse são verdadeiras.

Segundo o material que as oito testemunhas elaboraram para entender essa coincidência, existe pelo menos duas cartas escritas pelo professor Charles Anthon, cujo conteúdo coincide com a descrição da última placa e corrobora com a descrição de suas cartas, nas quais Charles Anthon descreve que ele viu caracteres dispostos em colunas verticais e no final do documento havia um círculo dividido em vários compartimentos, adornado com várias marcas estranhas. É lógico supor que Joseph Smith tenha projetado esse documento de Anthon a partir da última placa que mostrei às oito testemunhas. Eu não teria sido capaz de forjar isso, já que eu, como muitos Santos dos Últimos Dias aqui no Brasil, não tinha conhecimento desta carta descritiva de Anthon, porque em resumo, o que nos é apresentado pela igreja SUD é que os personagens que Martin Harris mostrou Charles Anthon são aqueles disponíveis na internet, mas essa segunda informação que mais tarde obtive das oito testemunhas, não corresponde ao que Professor Anthon mencionou https://en.wikipedia.org/wiki/Anthon_Transcript.

 Ou seja, este argumento levantado contra mim prova ainda mais a veracidade das placas, uma vez que tais figuras descritivas estão de acordo com os relatos do passado. Se não houvesse essa última placa, por mais próxima que ela pareça ser da falsificação de Hoffman, então, elas de fato seriam falsas. Porque a descrição de Anthon prova que em algum momento Joseph Smith Jr, extraiu das placas de ouro algo similar ao que está contido na última placa dos registros que as oito testemunhas viram.

O que eu tenho a dizer quanto à questão difundida de onde Mark Hoffman teria copiado seu documento?

Há alguns argumentos a serem considerados, especialmente um que menciona que Mark Hoffman em algum momento teve acesso a um fragmento do documento descrito nas cartas de Charles Anthon, e a partir de então forjou um documento inteiro para ter mais valor monetário e obter maior lucro de sua venda. No entanto, para mim a questão é mais simples do que parece: O Senhor nosso Deus possui um inimigo real do mundo invisível e extremamente inteligente e poderoso para influenciar a mente dos homens, assim como influenciou Mark Hoffman a atuar obscuramente entre seus semelhantes (Joseph Smith—História 1:16). Esse inimigo, como todos entendem, vive entre os humanos por milhares de anos e, sem dúvida, viu, tanto, Mórmon manejando a última placa como pode ter visto o documento original produzido por Joseph Smith que Martin Harris levou para Charles Anthon. Essa é a resposta mais plausível! No presente momento e sabendo que a parte selada logo seria exposta ao mundo com o nascimento de Maurice Berger, ele encontrou na figura de Mark Hoffman uma contrapartida para falsificar o dito documento, usando nos pensamentos do falsificador apenas os caracteres originais que ele reteve em sua lembrança, já com a intenção de interromper a obra do Senhor quando esta começasse a ocorrer novamente entre o povo da igreja nos dia atuais.

 

Quanto à seguinte questão levantada pelo “observador”, que Joseph Smith Jr. retornará para completar o trabalho, que ele diz em seu site, que vem anunciando essa ideia há anos para seus leitores, e, portanto, segundo ele, eu deva ter copiado sua ideia, quando surpreso, ele lê em um e-mail enviado por mim para um jovem da igreja SUD afirmando que Joseph voltaria para terminar o trabalho. Foi então que o chamado “Observador”, talvez com medo de que eu pudesse copiar suas ideias, tenta manipular seus leitores a pensar que estou escondendo minhas crenças pessoais do irmão Bob, que de acordo com o “Observador”: Bob não acredite no retorno de Joseph. Aqui eu confirmo novamente o que eu disse no e-mail, eu sei por revelação de Moroni que Joseph retornará para terminar o trabalho e não porque eu li em algum lugar algo similar. Sim, ele virá, mas não da maneira como o observador atesta, de que Joseph irá ressuscitar para concluir o trabalho, até porque as escrituras não mencionam ressureição no caso desse retorno. Mas eis que digo que se dará de um modo que ninguém perceberá, como nos dias de Jesus, quando os judeus também esperaram a volta de Elias, mas, como Jesus ensinou a seus discípulos, Elias veio na figura de João Batista, mas ninguém o reconheceu. Isto é tão verdadeiro que, na versão inspirada de Joseph Smith da Bíblia, exatamente no texto de Marcos 9: 3 menciona que Moisés e Elias estavam na montanha da transfiguração, e confirma que este Elias era realmente João Batista. Por último, se este é o ponto principal da questão, então eu digo que é um fato simples de entender, porque tem havido um paralelo na história do evangelho, mas ainda assim, é um dos mistérios que o Senhor não vai dar a conhecer aos homens comuns, mas apenas aos seus profetas. Neste caso eu lamento informar, que a ideia do “Observador” em relação ao retorno de Joseph, é similar ao que ocorreu com os fariseus no meridiano dos tempos, quando aguardavam a volta de Elias, mas não se deram conta que Elias estava ali no meio deles.

 

Agora por fim, desejo falar sobre o Jader. Primeiramente quero reforçar o caráter dele dizendo que não conheci nenhum homem mais justo, distinto e verdadeiro que o Jader.

Em seu comentário, Jader menciona que Mauricio tem falado que ele, Jader, quebrou as pedras do vidente. Primeiro ele só veio a este comentário porque alguém por trás das perguntas passou a informação errada para ele, e porque ele está muito correto em seu caminho, deve ter pensado que estou espalhando mentiras sobre ele, porque ele nunca teve acesso às pedras. Por outro lado, quem transmitiu essa informação distorcida a Jader, mentiu para ele e o envolveu em uma teia de engano. O vídeo “Perguntas e Respostas” está amplamente disponível para todos os interessados neste link abaixo, desde a primeira visita de Joseph e Bob ao Brasil, onde Bob conta em detalhes que eu, Maurício Artur Berger, quebrei as pedras dos videntes com minhas próprias mãos. Foi somente nesta ocasião em 29/10/2017 que a história das pedras quebradas foi conhecida pelo público em geral. — 10.29.2017 Zarahemla Branch Open Forum – Questions & Answer

Por outro lado, se me perguntassem se Jader teve alguma influência sobre mim para que eu quebrasse as pedras da maneira que as quebrei? Então a resposta é sim! Jader sempre foi um amigo que me ensinou muito sobre amar a verdade acima de todas as coisas, e me fez enxergar situações que às vezes não percebemos o seu real sentido. Neste caso, foi o Jader, que de certa forma chamou minha atenção para que eu averiguasse os fatos afim de perceber se eu não estava sendo enganado pelo diabo, e com isso em mente, e fragilizado por perder a amizade do meu melhor amigo, agi de modo compulsório em relação aos sentimentos que me abateram naqueles dias, vindo a quebrar as pedras, por causa da tristeza e pela dúvida que ele levantou em meu coração, devido as coisas que Jader havia me dito em relação a mentira de satanás.

As coisas duras que Jader me disse em relação a mentira de Satanás, se deu pelo mesmo motivo que fez o Jader se afastar de mim, e que nunca escondi de ninguém que errei para com o Jader e para com Deus nesse sentido, quando pedi ao Jader para ele afirmar ao seu bispo que ele tinha visto o anjo Moroni e as placas, quando na verdade ele nunca viu. Este ponto, entra na segunda acusação do site, onde Jader responde que eu pedi para ele isto, e foi justamente neste momento, que ele passou a crer que tudo era uma mentira. Eu não via problema em pedir isso para ele porque eu tinha plena certeza que um dia Moroni mostraria as placas para ele pessoalmente, até porque, a promessa de ser uma das três testemunhas era dele e não o irmão Valdeci Machado. Talvez o Jader tenha razão quando no site ele afirma que eu sou prepotente, pois após a minha excomunhão senti o desejo de mostrar para igreja LDS que eles estavam errados quanto a mim, mas não podia mostrar as placas ao Jader, então com o passar do tempo, após ele receber um e-mail de um dos três homens que estavam na montanha solicitei isto a ele. Mas conhecendo o caráter do Jader já previa que ele se afastaria, no entanto, perguntei de qualquer maneira, pois tinha certeza de que, assim que Morôni confirmasse tudo, não ficaria desapontado comigo. Mas ele não se permitiu essa oportunidade.

O Jader também menciona neste mesmo comentário que eu já tenho o material traduzido por completo. Na verdade, enquanto o Jader estava ao meu lado, ele viu uma parte da tradução ser efetuada de um contexto que não estava no livro de Mórmon que ele conhece, este contexto era uma porção traduzida do livro de Leí. Depois disso, eu tive que depositar as placas em um buraco no topo do morro, logo depois disso, eu, Jader e o Joni, subimos mais uma vez a montanha para ver se pegava as placas do buraco onde eu havia posto ela, mas uma pedra enorme foi posta em cima do local, impossibilitando na época sua remoção, depois disso eu pedi para ele confiar que as placas lhe seriam mostradas pelo anjo Moroni ao finda dos dez anos desde 2007 até 2017, ano em que de fato Moroni mostrou para três testemunhas. Portanto, nunca tive todo material traduzido assim como alega o Jader, pois eu só tive as placas novamente em janeiro de 2017, vindo a retomar o trabalho de tradução somente depois que as oito testemunhas terem vindo ao Brasil, no início deste ano de 2018.

Como eu disse, Jader é uma pessoa extremamente correta, e eu concordo com ele para manter sua posição na defesa de sua verdade, pois cada um será julgado pelo que ele tem. E uma vez que muitas coisas se tornaram indesejáveis em minha pessoa para ele, pois sou imperfeito e imperfeito, então não vejo como ele possa ter outra posição a meu respeito neste estágio em que esta história na qual ele esteve envolvido se desdobra. No entanto, insisto que as perguntas para Jader eram perguntas disfarçadas por alguém que o fez pensar que eu estava usando o nome dele para torná-lo um personagem ruim. Seja como for, acredito que, se as perguntas certas forem feitas, ele também falará a verdade sobre elas. Existe até um email dele datado de 29 de junho de 2011 que inclui um testemunho com suas palavras que diz: “Testifico também que eu sei que essas coisas são verdades porque tive o previlégio exatamente no dia 4 de Fevereiro de 2008 ver um grupo de espíritos renomados no topo do morro Agudo. Quero que todos saibam na terra que eu Jader e o irmão Maurício fomos ministrados e visitados no dia 25 de Dezembro 2008 também no morro Agudo pelos três Apóstolos do Senhor, sim por Simão Pedro que tem as chaves do reino de sua igreja e juntamente com ele Tiago e João. Digo isto e relato a todos e confirmo e sem sombras de dúvidas que falo e acredito no que vi e sei e que todos fiquem atentos e orem ao Senhor para que suas mentes se abram e seus corações sejam tocados. Sabendo disso encerro dizendo que essa é avontade do nossso Salvador Jesus Cristo que assim seja manifestado os desígnios de Deus e do Espírito Santo, e o faço e deixo esse Testemunho em nome do Grandioso, Poderoso e Redentor da humanidade o Salvador Jesus Cristo. Amém”.

Não acredito, por um único momento, que ele se deixou influenciar por mim na época em que escreveu esse testemunho, porque sempre foi um homem de grande caráter para ser influenciado por alguém. Por causa desse caráter, não acredito que no tempo presente ele se deixe influenciar para mudar seu testemunho anterior. Isso seria contrário a seus altos padrões morais. Eu acredito que ele pode dizer na atualidade que eles eram manifestações do diabo, porque, é nisso que ele acredita hoje, que eu fui enganado. Mas eu não acho que ele diria que nunca viu nada.

Finalmente, para concluir minha opinião sobre o assunto postado pelo “Observador”, sei que Jader agora pensa que os três homens que apareceram para nós no topo da montanha, que eu supunha na época ser Pedro, Tiago e João. são para ele apenas três homens comuns, semelhantes a nós, feitos de carne e ossos, que coincidentemente escalaram a montanha naquele dia, numa hora tardia, e lá permaneceram por não mais do que quinze minutos e depois partiram. Mas se você perguntar a Jader o que aqueles homens realmente fizeram e falaram nesses 15 minutos, certamente Jader confirmará estas minhas palavras:

1º eles pediram para orar conosco.

2º falavam do seu mestre curando as pessoas somente com sua sombra.

3º falaram que eram do Paraiso, o que poderia ser uma cidade vizinha da cidade de Agudo, mas também,  poderia ser o Paraiso literal.

4º Também falaram que era a primeira vez que subiam aquela montanha, o que é impossível no meio do mato e a noite para alguém que não conhece o caminho.

5º Embora vimos uma luz se aproximar quando eles chegaram, não vimos eles acender nenhuma lanterna em meio a escuridão da noite para ir embora e descer a montanha.

6º Fora isso tudo há ainda o fato de uma tempestade estar se aproximando rapidamente do topo, não havia como escapar dela, e eu disse para o Jader que deveríamos descer, quando então um deles disse, fiquem tranquilos. Se vocês apenas acreditarem, chove a vossa volta e a tempestade nem toca vocês. Então passamos a noite ali, e de fato, a tempestade passou a nossa volta com muito vento sacudindo as arvores da montanha, mas nada aconteceu conosco.

7º Não vimos eles tomarem água quando chegaram entre nós, ou ter algum cantil ou mochila que pudesse conter água para que pudessem se hidratar, tão pouco expressavam sinais de cansaço, o que era impossível para um homem de carne e ossos assim como nós, chegar lá em cima da montanha sem se sentir exausto e com muita sede de água.

Aqui cabe uma pergunta: se eram apenas três homens comuns, não acham estranho eles subirem a noite e permanecer ali apenas 15 minutos depois de tão intensa caminhada para chegar no topo e no tempo que estavam lá, falaram justamente do assunto que conduziu eu e o Jader até aquele local, vindo a orarem juntamente conosco?

Por fim, não me importa muito saber de que lado Jader está neste momento e o quanto ele acredita que eu seja um falso profeta, o que importa para mim é o caráter de meu amigo Jader. Importa que sua moralidade permaneça intocada, embora esses malfeitores tentem persuadi-lo com questões elaboradas com fatos distorcidos da história atual. Porque me disseram, pelo menos em duas ocasiões, uma antes de Jader se afastar de mim e outra depois, que ele será, no futuro, um peça-chave nessa obra. Portanto, quando penso em meu amigo Jader levantando uma acusação contra esse trabalho, é como pensar na história de Paulo, que era tão zeloso e completo quanto Jader em defesa da verdade. Mas quando Deus chamou Paulo para abraçar sua causa, então aquele homem zeloso por suas tradições se curvou ao chão para reconhecer a verdade que estava certa entre aqueles que ele acusou de apostasia.

Quanto ao observador e aos demais sectários que me acusam disso ou daquilo, quero dizer que não tenho raiva deles. Antes eu tenho pena, assim como Jesus teve pena daqueles que o crucificaram por que de fato eles não sabiam o que estavam fazendo. De forma similar, eu, Maurício berger tenho orado por estes que me perseguem e tentam desfigurar a imagem desta obra, porque não sabem o que fazem. Amém!

© 2018 thecauseofzion.org all rights reserved